Pular para o conteúdo principal

ENFRENTANDO PROVAÇÕES


Texto-base: Deuteronômio 7.9
Objetivo geral: consolo/alento

Propósito específico: Devemos aprender a confiar em Deus e a experimentar Sua fidelidade durante as provações.

INTRODUÇÃO
Já provou isso? O Senhor já permitiu que, inúmeras vezes, você fosse provado, e você nem prestou atenção à Sua Palavra, deixando-se levar pelo inimigo. O Altíssimo deseja que todos aqueles que Lhe servem o façam de coração – e não por medo –, pois Ele que os Seus provem a Sua fidelidade. Então, temos de ser operadores do Seu poder, e não pessoas derrotadas, que só murmuram contra tudo. Quem é de Deus não se importa com as provações e, até para conseguir oferecer um pouco de água fria para o servo do Senhor, arrisca a própria vida. Na verdade, quem segue a orientação divina nunca se arrisca, mas permite ser usado pelo Pai.

Saberás, pois, que o SENHOR, teu Deus, é Deus fiel, que guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seus mandamentos. Deuteronômio 7.9

NA PROVAÇÃO, EXPERIMENTE DA FIDELIDADE DE DEUS
A vontade do Pai é que provemos a Sua fidelidade. Ao começarmos a andar com Ele, crendo em Sua Palavra, sendo ousados e aceitando os desafios como oportunidades para mostrar que, de fato, somos dEle, o Senhor é fiel a todas as Suas promessas.
Nada nos acontece sem que o Altíssimo não saiba, principalmente o que o inimigo está preparando para nós. Por isso, se estivermos em comunhão com Ele, poderemos ouvir Sua direção e sair vencedores em todas as provas. Aquele que, com a permissão que, realmente, cremos na fidelidade do Pai, pois, ainda que estejamos mortos, viveremos (Jo 11.25).
Nos dias de tranquilidade, é fácil dizer que cremos em Deus, mas, quando as provações chegam e parece que Ele não Se importa conosco, mostramos que, verdadeiramente, confiamos nEle. Então, Ele prova ser o que é.

NA PROVAÇÃO, APRENDA A CONFIAR EM DEUS
Não corra de nenhum desafio. Tudo o que nos acontece são possibilidades que o Pai nos dá para mostrarmos que depositamos a nossa confiança em Sua Palavra e cremos nEle acima de tudo (Mc 5.36).
Quem cresce na fé aprende que não deve agir como os imaturos, espiritualmente falando, pois esses vivem suplicando por bênção. Na verdade, para essas pessoas, orar é chorar diante de Deus e relatar todos os sofrimentos pelos quais têm passado. No entanto, os maduros na fé aprendem a operar suas bênçãos, agindo como verdadeiros filhos do Altíssimo (Fp 2.12).

CONCLUSÃO
Viva em comunhão com o Senhor. Não fuja de nenhuma luta e faça de todo problema um momento de crescer e tornar-se vitorioso. Qualquer missão que lhe foi confiada deve ser encarada como uma oportunidade de provar seu amor ao Pai. Ao cumprir a ordem, você terá crescido na fé.

Em Cristo
Ev. Marcos Ferreira
By RRSoares


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GRITO QUE PAROU JESUS

Havia um homem interessante que andava sempre de bermudas, chinelos, com a barba crescida, e com os cabelos desalinhados! Ele parecia mesmo como um “doidão varrido”, precisava ver só! Era uma figura! O que ele fazia? Ele, simplesmente gritava e gargalhava! Ele parecia que não parava para comer! Era pelas manhãs, às vezes pelas tardes, noites, e também pelas madrugadas da vida! Ele incomodava, viu? Um grito primeiro e, depois, outro grito, complementando o primeiro e era assim que ele fazia: Primeiro: -“ Eu vou dar um grito, aqui, heim!” Segundo: - “Não faz isso, não!” Depois, soltava uma gargalhada gostosa: “Quá - Quá - Quá - Quá – Quá!” Andava, um pouco mais, e explodia outra! Mas, a bem da verdade, aquele era um GRITO INÚTIL! Era um grito incômodo, como o de Bartimeu. Ele estava gritando, ainda que de forma ERRÔNEA, mas gritava a dor do “eu” sozinho, da carência afetiva que, certamente, lhe faltava , ou a dor da incompreensão, da falta de seus parentes ou amigos, a dor dos incomodados que quer…

CADÊ A ALIANÇA DO CORAÇÃO?

— E aí, tudo bem? — pergunto. — Ah, mais ou menos — ela responde. Já vejo na resposta que ela precisa e quer desabafar. Vou perguntando, até que ela desabafa... — Olha, eu recebo as coisas que eu quero, mas minha vida não muda. Eu vou à igreja, oro por minha família e por minha vida financeira, vejo resultados, mas ainda falta algo. Acabei de chegar de uma reunião abençoada em uma de nossas igrejas e, ao fim, estava conversando com essa senhora e resolvi escrever sobre o episódio. Enquanto ela falava, eu prestava atenção olhando para a aliança em meu dedo e foi quando as palavras me vieram: - A senhora está vendo essa aliança? Sabe o que ela significa?
Ela me olhou espantada, deve ter pensado que eu era uma louca, pois não tinha nada a ver com o assunto, mas agora toda sua atenção era minha. Meu marido estava no altar aconselhando, eu apontei para ele e disse: — Quando me casei com ele, eu me comprometi a cuidar dele, ser fiel, ser companheira, fazê-lo feliz e amá-lo de todo coração. …

3. A BÊNÇÃO DE OFERTAR

Devemos entender a benção de ser um ofertante.
Tudo que for semeado produzirá. Quem plantar pouco colherá pouco. Mas aquele que for generoso no ofertar ceifará de modo abundante, pois agrada a Deis. Dessa forma, o poder do Altíssimo operará com liberalidade em seu viver. Pela declaração do apostolo, para quem semeia com mãos fartas, o retorno será na mesma proporção. (2 Coríntios 9.6) Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente.

OFERTA É SINAL DE OBEDIÊNCIA
Nessa passagem, Paulo discorreu mais sobre o ato de ofertar. Sem duvida, Deus não age com ganância – mas com amor – quando nos toca a fim de que contribuamos com certa oferta. É o seu amor paterno que nos fala ao coração a quantia exata a ser doada, e ela não fará falta; ao contrario, trará um retorno abundante.
Quem pouco semeia também colhe pouco, pois essa colheita vem sem a abundância referida na Palavra. Por outro lado, aquele que não é regrado no dar e ofer…