Pular para o conteúdo principal

ESCOLHENDO ENTRE DEUS E O MUNDO


Texto-base: 1 Coríntios 2.12    Objetivo geral: evangelístico

Propósito específico: o ouvinte deverá fazer a escolha certa.

INTRODUÇÃO

Receber o Espírito de Deus foi a melhor coisa que nos podia ter acontecido. No entanto, há pessoas que têm recebido o espírito do mundo. Para essas, o que interessa são os prazeres da carne, a satisfação das paixões e a busca desenfreada por dinheiro, bens e segurança. Quem recebe o Espírito do Senhor ganha condições de conhecer o que lhe é dado gratuitamente pelo Altíssimo, pois não cobra coisa alguma.

Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. 1 Coríntios 2.12

O ESPÍRITO DO MUNDO LEVA A PERDIÇÃO

O espírito do mundo não é apenas uma maneira de falar sobre quem vive na carne. Ele é real, e quem é possuído por ele vive apegado a tudo o que diz respeito a essa vida. Esse espírito usa o ser humano do modo como deseja. Por isso algumas pessoas ficam presas na bebedeira; outras são levadas a trapacear, e há ainda aquelas que se envolvem em vícios e prostituição.

Os dominados pelo espirito do mundo se interessam pelas coisas imundas da vida. Por exemplo, a intimidade conjugal – criada pelo Senhor com propósito específico de reprodução, alívio mental e satisfação espiritual – é tratada de forma grotesca e imoral. A pessoa possuída pelo espírito mundano só pensa no erro, e quem passa pelo seu caminho é visto como um objeto para suprir seus desejos. Além disso, ela quer saber de acumular bens, desfrutar do luxo e realizar-se em tudo.

O ESPÍRITO DE DEUS PRODUZ TRANSFORMAÇÃO

A Palavra deixa bem claro que o Espírito nos é dado gratuitamente, para que os menos avisados não caiam no conto de que precisam dar algo para receberem os benefícios divinos.

Todo aquele que nasce na família divina necessita do Espírito de Deus, e Jesus é o Batizante. Ao ser batizado com o Espírito Santo, o cristão entra em uma atmosfera espiritual que nem julgava existir e passa a ter dentro de si o próprio Espírito do Senhor. Com esse revestimento, ele se fortalece, e as angústias, tristezas, mágoas e os demais sofrimentos da alma desaparecem. Por outro lado, sem ele, o crente torna-se fraco.

Os que são cheios do Espírito pensam como o Senhor. Eles se condoem com a destruição moral que os outros estão sofrendo e oram pelos perdidos e oprimidos, esforçando-se para que os pecadores caiam no abrigo de Jesus, o bom Pastor. A pessoa que tem sobre sua vida o Espírito de Deus possui condições de conhecer o que lhe é dado, gratuitamente, pelo Pai.

CONCLUSÃO

Os possuídos pelo espirito mundano acreditam que têm de fazer por onde para que a mão do Altíssimo opere em seu favor. Mas, quando aprendem que Jesus já fez tudo e só precisam crer, mudam de atitude e passam a desfrutar do que nos foi concedido de graça pelo Filho de Deus.

Em Cristo
Ev. Marcos Ferreira
By RRSoares

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GRITO QUE PAROU JESUS

Havia um homem interessante que andava sempre de bermudas, chinelos, com a barba crescida, e com os cabelos desalinhados! Ele parecia mesmo como um “doidão varrido”, precisava ver só! Era uma figura! O que ele fazia? Ele, simplesmente gritava e gargalhava! Ele parecia que não parava para comer! Era pelas manhãs, às vezes pelas tardes, noites, e também pelas madrugadas da vida! Ele incomodava, viu? Um grito primeiro e, depois, outro grito, complementando o primeiro e era assim que ele fazia: Primeiro: -“ Eu vou dar um grito, aqui, heim!” Segundo: - “Não faz isso, não!” Depois, soltava uma gargalhada gostosa: “Quá - Quá - Quá - Quá – Quá!” Andava, um pouco mais, e explodia outra! Mas, a bem da verdade, aquele era um GRITO INÚTIL! Era um grito incômodo, como o de Bartimeu. Ele estava gritando, ainda que de forma ERRÔNEA, mas gritava a dor do “eu” sozinho, da carência afetiva que, certamente, lhe faltava , ou a dor da incompreensão, da falta de seus parentes ou amigos, a dor dos incomodados que quer…

CADÊ A ALIANÇA DO CORAÇÃO?

— E aí, tudo bem? — pergunto. — Ah, mais ou menos — ela responde. Já vejo na resposta que ela precisa e quer desabafar. Vou perguntando, até que ela desabafa... — Olha, eu recebo as coisas que eu quero, mas minha vida não muda. Eu vou à igreja, oro por minha família e por minha vida financeira, vejo resultados, mas ainda falta algo. Acabei de chegar de uma reunião abençoada em uma de nossas igrejas e, ao fim, estava conversando com essa senhora e resolvi escrever sobre o episódio. Enquanto ela falava, eu prestava atenção olhando para a aliança em meu dedo e foi quando as palavras me vieram: - A senhora está vendo essa aliança? Sabe o que ela significa?
Ela me olhou espantada, deve ter pensado que eu era uma louca, pois não tinha nada a ver com o assunto, mas agora toda sua atenção era minha. Meu marido estava no altar aconselhando, eu apontei para ele e disse: — Quando me casei com ele, eu me comprometi a cuidar dele, ser fiel, ser companheira, fazê-lo feliz e amá-lo de todo coração. …

3. A BÊNÇÃO DE OFERTAR

Devemos entender a benção de ser um ofertante.
Tudo que for semeado produzirá. Quem plantar pouco colherá pouco. Mas aquele que for generoso no ofertar ceifará de modo abundante, pois agrada a Deis. Dessa forma, o poder do Altíssimo operará com liberalidade em seu viver. Pela declaração do apostolo, para quem semeia com mãos fartas, o retorno será na mesma proporção. (2 Coríntios 9.6) Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente.

OFERTA É SINAL DE OBEDIÊNCIA
Nessa passagem, Paulo discorreu mais sobre o ato de ofertar. Sem duvida, Deus não age com ganância – mas com amor – quando nos toca a fim de que contribuamos com certa oferta. É o seu amor paterno que nos fala ao coração a quantia exata a ser doada, e ela não fará falta; ao contrario, trará um retorno abundante.
Quem pouco semeia também colhe pouco, pois essa colheita vem sem a abundância referida na Palavra. Por outro lado, aquele que não é regrado no dar e ofer…